2022-01-28 18:36:00 Jornal de Madeira

Legislativas: Rio acusa PS de abrir porta aos extremos e promete social-democracia ao centro

O presidente do PSD acusou hoje o PS de ter aberto a porta aos extremos com a 'geringonça' e não ter problemas em votar com o Chega, e prometeu governar com os valores da social-democracia, ao centro. Num palco montado junto ao arco da Rua Augusta, em Lisboa, Rui Rio alegou que o PS "andou a fazer acordos com o Chega" em outubro e novembro do ano passado "na autarquia do Entroncamento, na autarquia de Moura, na autarquia de Sintra, na autarquia da Moita" e referiu que PS e Chega votaram juntos "1180 vezes no plenário da Assembleia da República". "Estamos a ver que o PS, quer nas autarquias, quer na Assembleia da República, não tem, naturalmente, problemas em votar juntamente com o Chega", declarou. No seu último discurso de campanha eleitoral para as legislativas de domingo, o presidente do PSD acrescentou: "Nós não abrimos a porta aos extremos. Quem abriu a porta aos extremos foi o PS".  "Quem andou aos ziguezagues e termina a campanha a dizer que se ganhar as eleições vai voltar a fazer a denominada geringonça com o BE, abrindo novamente a porta ao extremo, neste caso a extrema-esquerda, é o PS", prosseguiu. "Não tem legitimidade para atacar o PSD", considerou Rui Rio, que não se referiu nesta intervenção ao acordo nos Açores entre o PSD e o Chega. Contra "uma governação comandada pelo PS e condicionada pela extrema-esquerda", Rui Rio apelou ao voto numa "social-democracia, que defende a justiça social, que defende a solidariedade, que defende a tolerância, que defende a igualdade de oportunidades". "São estes os nossos valores, desde Francisco Sá Carneiro até hoje, e são esses valores que nós vamos defender em Portugal, sem extremos, nem à direita, nem à esquerda, num partido ao centro, equilibrado e democrata", afirmou o presidente do PSD.

Pesquisa

Partilhe

Booking.com

Email Netmadeira