2019-04-25 11:35:00 Jornal de Madeira

Europeias: Só 17% dos portugueses diz ser "extremamente provável" ir votar

Apenas 17% dos portugueses considera ser extremamente provável ir às urnas nas próximas eleições europeias, a terceira percentagem mais baixa na União Europeia (UE), revela o Eurobarómetro publicado hoje pelo Parlamento Europeu (PE). No estudo de opinião realizado entre 19 de fevereiro e 04 de março, apenas 17% dos entrevistados disse ser extremamente provável ir às urnas nas próximas eleições europeias, que decorrerão entre 23 e 26 de maio de 2019, com 19% a responder muito provável, 15% moderadamente provável e 47% pouco provável. Entre os Estados-Membros, Portugal é o país, ‘ex aequo’ com a Croácia, com a terceira percentagem mais baixa de votantes “extremamente prováveis”, atrás apenas de República Checa (10%) e Itália (16%), e bem distante da média europeia de 35%. Portugal é mesmo o país do bloco comunitário onde menos jovens (apenas 3%) assumiram estar seguros de deslocar-se às urnas em 26 de maio. Nas eleições europeias de 2014, em Portugal a taxa de participação foi de 33,67% (abaixo da média europeia de 42,54%). Nesta consulta, só 38% dos entrevistados portugueses assumiu estar interessado no processo eleitoral europeu, enquanto 61% revelou não ter interesse nestas eleições. Entre as razões para votarem nas eleições para o PE, os portugueses apontam em primeiro lugar o seu dever de cidadãos (55%), seguindo-se o ‘hábito’ de exercer o direito de voto em eleições (29%), com o apoio ao governo nacional a recolher apenas 17% de respostas positivas. A principal razão para não votarem é, segundo este estudo, o sentimento de que o seu voto não altera nada (33%), seguindo-se a desconfiança no sistema político (30%). O aparente desinteresse dos portugueses relativamente às eleições europeias pode explicar-se pelo facto de 70% dos inquiridos desejar que o PE desempenhe um papel mais importante ao nível da UE, uma percentagem mais elevada do que a média europeia de 54%. Apesar de estarem pouco interessados nas eleições que vão definir a constituição da próxima assembleia europeia, a maioria dos portugueses acredita que a posição do seu país conta na UE e não votaria a favor de deixar o bloco comunitário. Nesta consulta, 15% dos entrevistados portugueses disse concordar plenamente com a afirmação “a voz do meu país conta na UE”, enquanto 55% afiançou estar tendencialmente de acordo com a mesma frase. Já a nível pessoal, 8% dos inquiridos acreditam que a sua voz conta nas decisões do bloco comunitário e 35% tendem a concordar com essa premissa. Somando os dois valores, e apesar de ainda não alcançar a média europeia de 51%, Portugal é um dos Estados-membros que registou uma maior evolução positiva (7%) neste indicador entre o barómetro publicado pelo PE há seis meses e o Eurobarómetro de primavera hoje divulgado. A grande novidade no barómetro hoje divulgado, cujo trabalho de campo foi realizado em pleno impasse da saída do Reino Unido da União Europeia, é a questão relativa a um eventual referendo para abandonar a UE: 77% dos portugueses votaria a favor da permanência do bloco comunitário, uma percentagem bastante superior à média europeia (68%). Os portugueses estão também entre os cidadãos dos Estados-membros com uma opinião mais favorável em relação à UE, com 82% a considerarem que o país beneficiou ao ser membro do bloco comunitário (a média comunitária está fixada nos 68%) e apenas 10% a terem uma posição contrária. O Eurobarómetro foi realizado entre 19 de fevereiro e 04 de março através de entrevistas presenciais com 27.973 cidadãos dos 28 Estados-Membros da UE, dos quais 1.004 portugueses.

Conselho de Ministros reúne-se para aprovar medidas da nova fase da retoma

Conselho de Ministros reúne-se para aprovar medidas da nova fase da retoma

2020-05-29 08:09:08 Diário de Notícias da Madeira
Agências de bandas procuram alternativas para evitar cortes nos cachês

Agências de bandas procuram alternativas para evitar cortes nos cachês

2020-05-29 06:14:05 Diário de Notícias da Madeira
Historiador defende que Bussaco era marcador de navegação para os fenícios

Historiador defende que Bussaco era marcador de navegação para os fenícios

2020-05-29 05:32:41 Diário de Notícias da Madeira
Convenção sobre os Direitos da Criança obrigatória na formação de magistrados
Governo da República garante que não vai cortar verbas das escolas

Governo da República garante que não vai cortar verbas das escolas

2020-05-28 22:36:18 Diário de Notícias da Madeira

Pesquisa

Partilhe

Booking.com

Email Netmadeira