2023-01-25 18:46:00 Jornal de Madeira

Ucrânia: Noruega junta-se a países fornecedores de tanques Leopard 2 a Kiev

A Noruega vai juntar-se ao grupo de países aliados que preparam o envio de tanques de fabrico alemão Leopard 2 para a Ucrânia, como forma de apoiar a resistência à invasão russa, anunciou hoje o ministro da Defesa norueguês. "A Noruega e o Governo apoiam a doação de tanques de guerra para a Ucrânia. A Noruega participará", afirmou Bjørn Arild Gram em entrevista à televisão estatal NRK, sem precisar o número destes carros pesados de combate a serem fornecidos. A Alemanha autorizou o envio de carros de combate Leopard 2 para as forças ucranianas combaterem a invasão russa e aprovou os pedidos de outros países no mesmo sentido, de acordo com um porta-voz do executivo de Berlim. "Esta decisão segue a nossa linha conhecida de apoiar a Ucrânia da melhor maneira possível. Atuamos internacionalmente de maneira altamente coordenada", declarou o chanceler alemão, Olaf Scholz, citado pelo seu porta-voz, Steffen Hebestreit. Num comunicado, o Governo alemão declarou que, inicialmente, fornecerá à Ucrânia 14 dos seus tanques Leopard 2 A6. A Alemanha e os seus aliados deverão fornecer aos ucranianos um total de 88 tanques. A decisão surgiu após as autoridades dos Estados Unidos anunciarem que foi fechado um acordo preliminar para enviar tanques M1 Abrams a Kiev, para ajudar a repelir as forças russas entrincheiradas no leste da Ucrânia. A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro de 2022 pela Rússia na Ucrânia causou até agora a fuga de mais de 14 milhões de pessoas – 6,5 milhões de deslocados internos e quase oito milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Neste momento, 17,7 milhões de ucranianos precisam de ajuda humanitária e 9,3 milhões necessitam de ajuda alimentar e alojamento. A invasão russa – justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas. A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 7.068 civis mortos e 11.415 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Turquia/Sismo: Mais de 11.200 mortos na Turquia e na Síria

2023-02-08 14:06:00 Jornal de Madeira

Ucrânia: Zelensky visita hoje o Reino Unido

2023-02-08 09:13:00 Jornal de Madeira

Pesquisa

Partilhe


Email Netmadeira