2022-11-26 12:13:00 Jornal de Madeira

Ucrânia recebe promessas de apoio no 90.º aniversário do ‘Holodomor’

A Ucrânia recebeu este sábado promessas de apoio contra Moscovo, no 90.º aniversário do ‘Holodomor’, a fome causada pelo regime de Estaline na década de 1930, que adquiriu novo impacto desde a invasão russa. O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, garantiu que o seu povo se manterá firme perante os ataques russos, que regularmente provoca grandes cortes de energia e água à medida que as temperaturas do inverno se aproximam. "Os ucranianos passaram por coisas realmente terríveis. E apesar de tudo mantiveram a capacidade de não obedecer e o seu amor pela liberdade. No passado, quiseram destruir-nos com fome, hoje com escuridão e com frio", afirmou Zelensky, num vídeo publicado no Telegram, citado pela Agência France-Presse. "Não nos podem quebrar", sublinhou. Vários líderes europeus viajaram hoje até Kiev para participarem nas comemorações do ‘Holodomor’, que a Ucrânia considera um “genocídio”. Segundo a comunicação social da Polónia e da Lituânia, os primeiros-ministros desses países, Mateusz Morawiecki e Ingrida Simonyte, que apoiam fortemente Kiev, estão de passagem para negociações sobre uma possível nova onda de imigração da Ucrânia para a Europa neste inverno. O Serviço da guarda fronteiriça da Ucrânia confirmou que Morawiecki "visitou Kiev e honrou a memória das vítimas do ‘Holodomor’". O primeiro-ministro belga, Alexander De Croo, também está de visita a Kiev, a primeira desde o início da invasão russa. Segundo a agência belga, o governante prevê disponibilizar um apoio financeiro adicional de 37,4 milhões de euros para a Ucrânia. "Cheguei a Kiev. Após os violentos bombardeamentos dos últimos dias, estamos com o povo ucraniano. Mais do que nunca", afirmou De Croo no Twitter. O chanceler alemão, Olaf Scholz, anunciou num vídeo uma ajuda adicional de 10 milhões de euros para apoiar as exportações de cereais da Ucrânia, impactadas pela guerra. O Parlamento alemão decidiu, esta sexta-feira, definir como "genocídio" o ‘Holodomor’, que causou a morte de cerca de 3,5 milhões de ucranianos através da coletivização de terras. A Rússia rejeita essa classificação, argumentando que a grande fome que assolou a URSS (União Soviética) no início dos anos 1930 não fez apenas vítimas ucranianas, mas também russas, cazaques e outros povos. O flagelo histórico cometido pelo regime estalinista na Ucrânia soviética, também designado como “A Grande Fome” ou “A Fome-Terror”, fez, entre 1932 e 1933, cerca de 3,5 milhões de vítimas ucranianas – aliás “Holodomor” significa em ucraniano isso mesmo: exterminação pela fome. A Roménia, a Irlanda, a Alemanha e o Vaticano foram, até agora, alguns dos países que atribuíram ao crime da era soviética a classificação que a Ucrânia vinha pedindo há anos e que adquiriu uma nova atualidade desde que a Rússia invadiu a Ucrânia, a 24 de fevereiro deste ano, e durante alguns meses bloqueou a saída de cargueiros com cereais dos portos ucranianos, fazendo temer uma crise alimentar mundial. Na quarta-feira, o parlamento romeno aprovou um texto classificando o “Holodomor” como um “crime contra a Humanidade” e, na quinta-feira, foi a vez de o Senado irlandês aprovar uma resolução considerando-o um “genocídio do povo ucraniano”. No mesmo dia, também o papa Francisco falou sobre o assunto no Vaticano, utilizando o termo “genocídio”: “Rezamos pelas vítimas desse genocídio e por tantos ucranianos – crianças, mulheres, pessoas idosas e bebés – que agora sofrem o martírio da agressão”.

Pesquisa

Partilhe


Email Netmadeira