2022-09-27 18:29:00 Jornal de Madeira

Sudão alerta para riscos de doenças devido a corpos amontoados nas morgues

Funcionários médicos sudaneses avisaram hoje que os mais de 1.500 corpos não identificados que se encontram amontoados em várias morgues do país podem espalhar doenças, enquanto o Governo é acusado de encobrir as causas destas mortes.   Entre os mortos, acredita-se que estão manifestantes pró-democracia, que os ativistas dizem ter sido mortos pelas forças governamentais na sua repressão das manifestações. Para estes ativistas, o fracasso na realização de autópsias adequadas é uma tentativa de ocultar provas dessas mortes. Mahjoub Babaker, um consultor de medicina forense e toxicologia para o corpo de autópsias do país, manifestou a sua preocupação devido à proximidade entre uma das morgues e um mercado, dizendo que os corpos "poderiam espalhar a cólera entre os residentes locais". Numa conferência de imprensa realizada hoje, Babaker e mais três outros funcionários argumentaram contra a necessidade de se realizarem autópsias independentes, afirmando, em vez disso, que deveria haver um enterro em massa dos corpos, por razões de segurança pública. Anunciaram um adiamento de quaisquer autópsias para discutir os assuntos com as famílias dos defuntos. Os relatos da acumulação de corpos a aguardar por uma autópsia surgiram pela primeira vez em maio, com vídeos de notícias divulgadas no início deste mês mostrando pilhas de cadáveres guardados num edifício, aparentemente sem refrigeração. Depois, o principal procurador do país autorizou o enterro em massa dos corpos no mês passado, sem autópsia. Uma decisão que ocorreu quando o país enfrentou uma repressão contínua de protestos antimilitares, após um golpe militar no ano passado. Em outubro, a curta transição democrática do Sudão foi interrompida quando o principal general do país, Abdel-Fattah al-Burhan, depôs o governo e prendeu centenas de oficiais e ativistas. Grupos pró-democracia e famílias de manifestantes desaparecidos disseram que a incapacidade de realizar autópsias adequadas é uma tentativa de ocultar provas da morte de centenas de manifestantes pró-democracia pelas forças armadas sudanesas, na sequência da revolta popular de 2019, que depôs o governante de longa data Omar al-Bashir. Em junho de 2019, as Forças de Apoio Rápido, um poderoso grupo paramilitar armado, abriram fogo sobre um grupo de manifestantes em Cartum, matando mais de 100 pessoas. A decisão do procurador em maio provocou várias manifestações fora das morgues de grupos pró-democracia. No domingo, o Comité Médico Sudanês, que tem acompanhado as mortes e ferimentos dos manifestantes desde o golpe, realizou um protesto no exterior da sede do Ministério Público. Numa declaração, o grupo apelou à suspensão de todos os enterros até "ser recuperada uma equipa de medicina forense internacional, independente e fiável, protegendo os direitos dos desaparecidos e dos seus familiares, e procurando alcançar a verdade e alcançar a justiça".

Pesquisa

Partilhe


Email Netmadeira