2022-01-28 18:54:00 Jornal de Madeira

Ucrânia: Presidente ucraniano pede a Moscovo gesto para desanuviar a tensão

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, apelou hoje à Rússia para provar as afirmações de que não tenciona invadir a Ucrânia, em cuja fronteira concentrou dezenas de milhares de soldados nos últimos meses. "Dizem isto [não ter a intenção de invadir] abertamente, em diferentes meios de comunicação social, por diferentes funcionários”, disse Zelensky numa conferência de imprensa em Kiev. Nesse sentido, apelou a Moscovo para que tenha um gesto que prove a honestidade das afirmações oficiais, segundo a agência de notícias France-Presse. As autoridades de Kiev e o Ocidente acusaram a Rússia de ter concentrado cerca de 100.000 soldados na sua fronteira com a Ucrânia com a intenção de invadir novamente o país vizinho, depois de ter anexado a península ucraniana da Crimeia, em 2014. A Rússia negou essa intenção, mas disse sentir-se ameaçada pela expansão de 20 anos da NATO ao Leste europeu e pelo apoio ocidental à Ucrânia. Zelensky disse estar preparado para se encontrar com o Presidente russo, Vladimir Putin, bilateralmente ou num quadro multilateral. “Desejo ter uma tal reunião. Não tenho medo de qualquer formato, bilateral ou o que quer que seja. Isso não importa. Estou pronto”, disse, citado pela agência russa TASS. Trata-se de uma resposta a uma declaração do chefe da diplomacia russa, Sergei Lavrov, de que o Presidente da Ucrânia é bem-vindo na Rússia para discutir a normalização das relações bilaterais. “O Presidente da Rússia disse: se Zelensky quiser discutir a normalização das relações bilaterais que são prejudicadas pelas ações unilaterais do seu regime – e nós, claro, reagimos a essas ações – estamos prontos para isso, sem problemas”, afirmou hoje Lavrov numa entrevista a rádios citada pela TASS. “Mas se ele [Zelensky] quiser discutir Donbass, deve recorrer ao Grupo de Contacto, que, por decisão do Formato Normandia, deve considerar todas as questões de resolução diretamente entre Kiev e Donetsk, Kiev e Lugansk”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros russo. A Ucrânia está envolvida numa guerra com separatistas pró-russos na região industrial do Donbass, no Leste do país, desde 2014, que diz ser fomentada e apoiada militarmente por Moscovo. A guerra no Donbass já provocou cerca de 14.000 mortos e 1,5 milhões de desalojados, segundo a ONU. As autoridades de Moscovo recusam-se a falar com o Governo de Kiev sobre o conflito, alegando que a Rússia não está envolvida, e defendem que os ucranianos devem antes discutir a questão com os líderes separatistas de Donetsk e Lugansk. Na sequência do conflito, Rússia, Ucrânia, Alemanha e França criaram uma plataforma de diálogo conhecida por Formato Normandia, mas os líderes dos quatro países não se reúnem desde 2019. Conselheiros políticos dos quatros líderes reuniram-se na quarta-feira, em Paris, e marcaram um próximo encontro para fevereiro, em Berlim, mas não discutiram a realização de uma nova cimeira, que tem sido sugerida pelo Presidente da Ucrânia.

Pesquisa

Partilhe

Booking.com

Email Netmadeira