2022-12-03 11:45:00 Jornal de Madeira

Ucrânia: Kiev regista 17 casos de cartas com explosivos ou partes de animais em embaixadas

A Ucrânia estimou esta sexta-feira que ocorreram 17 casos em embaixadas na Europa que receberam cartas com explosivos ou partes de animais, principalmente olhos de vaca e porco, adiantou o ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano O chefe da diplomacia ucraniana questionou, em entrevista à estação CNN, quem para além da Rússia beneficiaria com este tipo de ações. Dmytro Kuleba salientou ainda que ,ou a Rússia é "diretamente responsável" por estes ataques, ou o responsável "simpatiza com a causa russa e tenta espalhar o medo". "Tudo começou com uma explosão na embaixada ucraniana na Espanha (em Madrid)", lembrou o chanceler ucraniano, analisando que "o que se seguiu a essa explosão foi mais estranho ou até doente". Kuleba tinha destacado anteriormente que há razões para acreditar que há "uma campanha bem planeada de terror e intimidação contra embaixadas e consulados ucranianos". "Incapaz de parar a Ucrânia na frente diplomática, eles [Moscovo] estão tentar intimidar-nos”, realçou. O Governo ucraniano indicou que estes tipo de pacotes chegaram às embaixadas do país na Hungria, Países Baixos, Polónia, Croácia e Itália, embora encomendas suspeitas também tenham sido registadas nos consulados do país na Polónia, Chéquia e Itália. Na quarta-feira um homem ficou ferido sem gravidade na embaixada da Ucrânia em Madrid devido à explosão de um artefacto que estava dentro de um envelope. Desde então, já foi revelada pelas autoridades espanholas a existência de mais cinco cartas com explosivos, a última das quais na embaixada do Estados Unidos em solo espanhol. As autoridades portuguesas reforçaram a proteção da embaixada da Ucrânia em Lisboa e admitem reapreciar o nível de ameaça em Portugal, após cartas armadilhadas terem sido recebidas por entidades em Espanha, anunciou esta sexta-feira o Sistema de Segurança Interna (SSI). Em resposta a um pedido de esclarecimento da Lusa, na sequência da notícia da receção de pelo menos seis cartas armadilhadas em Espanha, o SSI confirmou que a Unidade de Coordenação Antiterrorismo (UCAT), que funciona no quadro do Sistema de Segurança Interna, “está a acompanhar atentamente a situação” e que se encontra em “estreita articulação com os seus parceiros espanhóis, europeus e internacionais”. Entretanto, o ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, revelou esta sexta-feira à Lusa que foram dadas indicações às embaixadas portuguesas para reforçarem cuidados na receção de correio, assinalando que as missões diplomáticas nacionais “estão atentas”. A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas – mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,8 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). A invasão russa – justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas. A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra, que hoje entrou no seu 282.º dia, 6.655 civis mortos e 10.368 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Pesquisa

Partilhe


Email Netmadeira