Élvio Sousa diz que JPP está agora "talhado" para fiscalizar
O cabeça de lista do JPP às eleições legislativas da Madeira de domingo, Élvio Sousa, disse hoje que atualmente o partido está "talhado" para fiscalizar e não para ir para o governo. Num jantar-comício de encerramento da campanha eleitoral, no Funchal, onde reuniu cerca de um milhar de pessoas, Élvio Sousa reconheceu que uma ‘bipartidarização’ da vida regional seria propícia a levar partidos para a esfera da governabilidade, mas sublinhou que essa não é a ambição da candidatura. "Há um clima para alimentar o bipartidarismo, mas isso não nos preocupa, porque o nosso objetivo é manter ou crescer. Nós sabemos que agora é um momento e há uma oportunidade de mudança. Nós já situámos que o PSD é o nosso adversário político, mas também não alimentamos qualquer intenção de ir para governar, a nossa forma de estar ainda é muito prematura. Não é que não tenhamos capacidade, mas estamos talhados, neste momento, é para fiscalizar", sintetizou. Para Élvio Sousa, o trabalho do JPP "já foi feito há quatro anos” e a campanha “é apenas uma forma que as forças políticas têm para expressar aquilo que fizeram e aquilo que se propõem a fazer". Numa linha de continuidade, indicou, o programa do partido não tem novidades, até porque o orçamento está condicionado pela dívida contraída durante a governação PSD de Alberto João Jardim. "É um programa com uma dívida de cinco milhões de euros, não podemos entrar em grandes euforias do ponto de vista do investimento e da redução fiscal, que tem de ser progressiva e gradual para não haver desequilíbrio nas contas públicas", descreveu o arqueólogo, salientando ser um programa para a saúde, a mobilidade, a agricultura, o ambiente e as condições sociais. O JPP foi a grande surpresa nas regionais de 2015, ao conseguir eleger, na sua estreia nas legislativas madeirenses, cinco deputados para a Assembleia Legislativa da Madeira, com 13.114 votos (10,28%). Passou então a ser a quarta força no arquipélago. Este partido nasceu de um movimento de cidadãos independentes da freguesia de Gaula que em 2009 conquistou o município de Santa Cruz, com maioria absoluta (13.886 votos, 64,42%), destronando o PSD, que governava a autarquia desde 1976. Élvio Sousa, presidente da Junta de Freguesia de Gaula, no concelho de Santa Cruz (presidido pelo seu irmão, Filipe Sousa), é considerado o ‘pai’ dos movimentos de cidadãos na Madeira. Licenciado em História e mestre em História Regional e Local pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Élvio Sousa é também investigador do Centro de História de Aquém e de Além-Mar, da Universidade Nova de Lisboa, e está ligado ao projeto do Núcleo Histórico do Solar do Ribeirinho, em Machico. O JPP rejeita "qualquer entendimento" com o PSD, que considera ser o " principal adversário político".
Ler mais
Fonte: Jornal de Madeira

Mostrar mais notícias
Carregando...