Bruxelas apoia governo dinamarquês na recusa de venda da Gronelândia aos EUA
A Comissão Europeia afirmou hoje apoiar “na totalidade” a recusa dos governos da Dinamarca e da Gronelândia na venda desta região autónoma aos Estados Unidos, o que já suscitou o cancelamento da ida do Presidente norte-americano ao país. “A Comissão defende na totalidade e apoia a posição que foi expressa, tanto pela primeira-ministra da Dinamarca [Mette Frederiksen], como pelo governo da Gronelândia”, afirmou a porta-voz do executivo comunitário Natasha Bertaud, na conferência de imprensa diária daquela instituição, em Bruxelas, quando questionada sobre as notícias hoje conhecidas. O Presidente norte-americano, Donald Trump, cancelou hoje uma viagem a Copenhaga prevista para setembro depois de o Governo dinamarquês ter dito não estar disponível para debater uma possível venda da Gronelândia aos Estados Unidos. Um porta-voz da Casa Branca disse à agência de notícias France Presse que a visita do Presidente dos Estados Unidos à Dinamarca prevista para 02 e 03 de setembro “foi cancelada nesta fase”. A Casa Real dinamarquesa expressou “surpresa” num comentário escrito enviado à televisão pública, enquanto a classe política do país também se manifestou “estupefacta”, em publicações feitas nas redes sociais. Hoje, Donald Trump afirmou que “a Dinamarca é um país muito especial, com pessoas incríveis”. Porém, “com os comentários da primeira-ministra [da Dinamarca], Mette Frederiksen, de que não teria interesse em discutir a compra da Gronelândia, vou adiar a nossa reunião programada para daqui a duas semanas para outro momento", informou o Presidente norte-americano. No final da semana passada, a imprensa americana revelou que Donald Trump havia indagado sobre a possibilidade de os Estados Unidos comprarem a Groenlândia, um enorme território autónomo ligado à Dinamarca com cerca de 56.000 habitantes. A Casa Branca confirmou a informação dias depois. A ideia fez inicialmente algumas pessoas rir, mas mostrou, mais uma vez, a capacidade do 45.º Presidente americano de quebrar os códigos da diplomacia tradicional. A Gronelândia tem desde o referendo de 1979 estatuto de autonomia, com competências próprias exceto nas áreas de defesa, política externa e emissão de moeda, entre outras áreas, incluindo a impossibilidade de pedir o direito à autodeterminação. Durante a ocupação da Dinamarca pela Alemanha nazi na Segunda Guerra Mundial (1939-1945) os Estados Unidos tomaram posições na Gronelândia e após o final do conflito instalaram uma base área militar estrategicamente importante durante a Guerra Fria e que continua ativa. No passado, os Estados Unidos tentaram várias vezes comprar a maior ilha do mundo, a última vez foi em 1946 através de uma iniciativa do Presidente Truman.
Ler mais
Fonte: Jornal de Madeira

Mostrar mais notícias
Carregando...



Se ainda não gosta de nós no Facebook faça like