Funchal serviu de cenário a romance de Paulo Ferreira
O Funchal foi uma das cidades que serviu de cenário a ??Onde a Vida se Perde?, o primeiro romance da autoria de Paulo Ferreira, consultor editorial, cofundador da empresa Booktailors. Em entrevista à Agência Lusa, Paulo Ferreira, de 31 anos, contou que esta história sobre amor e morte, ambientado entre o continente e o Funchal, parte do verso de uma música de Pedro Abrunhosa. Apresentada pelo escritor valter hugo mãe na passada sexta-feira no Cinema São Jorge, em Lisboa, ??Onde a Vida se Perde? conta uma história de desencanto, a história de alguém que vive os últimos meses de vida após ter-lhe sido decretada uma sentença de morte - foi-lhe diagnosticado um tumor no cérebro - e ele decide então fazer um jantar com quatro mulheres, uma delas Mia, com quem vive», resumiu. No romance, a perda da vida é literal, porque «há mesmo uma limitação física, um prazo de seis meses», mas é também metafórica, «porque ao longo dos relacionamentos que o protagonista foi tendo com aquelas mulheres, há sempre um sentimento de que, de alguma forma, e apesar de ter havido momentos de pura felicidade, a vida se foi perdendo neles, há um grande desencanto, são relações que nunca ficaram verdadeiramente resolvidas», explicou o autor. Nesta história, passada «ao longo de dez, quinze anos, mais ou menos», em que estes relacionamentos «foram desgastando um bocadinho a vida de cada uma das personagens«, existe - segundo Paulo Ferreira - também um lado positivo, «onde a vida se ganha, nesta ligação entre as personagens, nos afetos, no amor, que está subjacente a todo o livro». O amor, ??nas suas várias facetas? é mesmo o tema de ??Onde a Vida se Perde?, embora com ressalvas: «Muitas vezes, não há amor, há só diluição, há frustração, há dor, há mágoa, há tristeza, há momentos que nunca foram ultrapassados, uma dose de ressentimento e de tristeza muito grande», descreveu. As personagens principais chamam-se Alice, Carmen, Rita e Mia. O narrador descreve-as, chegando ao pormenor do tipo de sapatos que usam, conta-nos também o lado delas, o que lhes interessou no protagonista, Pedro - ??um saltimbanco emocional? com Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC) -, como se conheceram, como se apaixonaram, o que as magoou, como e porquê se afastaram. Paulo Ferreira, que já escrito contos e uma novela, não resistiu, na estreia no romance, a uma tentação de que falou também Gabriel García Márquez: a de pôr tudo o que tinha vivido, sentido e olhado no primeiro livro. Além desta curiosidade, de salientar também que este é um romance com banda sonora, com referências a músicas espalhadas ao longo do texto, que pode ser ouvida no blogue criado pelo autor para o efeito, em http://ondeavidaseperde.blogs.sapo.pt.
BREVES O Mini Eco Bar vai realizar esta noite a festa ??Woodstock Revival? com Tiago Barreto. Prestar tributo a um evento icónico do movimento ??hippie?, o festival de WoodStock de 1969 será apanágio para uma noite em que, além das roupas e do espírito de paz e amor, a música terá um grande destaque.Tiago Barreto trará consigo sonoridades desta época, com nomes como Joe Cocker, Jimi Hendrix, Santana, Janis Joplin, The Who e Rolling Stones. De salientar que haverá prémios para os disfarces mais originais.a A editora Nova Delphi apresenta hoje, pelas 19 horas, na Fnac Madeira, um «olhar atento» a títulos que se tornaram clássicos na área dos estudos feministas, bem como a promoção das publicações realizadas nos nossos centros de investigação. A Câmara Municipal da Ribeira Brava promove no próximo dia 25, pelas 16h30, a conferência ??Conversas entre Mulheres: Desafios para a Mulher no séc. XXI?,que terá como oradoras convidadas Conceição Estudante (secretária regional do Turismo e Transportes), Graça Alves (escritora e professora) e Noémia Gonçalves (realizadora da RTP). Esta conferência está integrada nas comemorações do Dia Internacional da Mulher e visa promover a reflexão da participação das mulheres na tomada de decisão, nas questões de igualdade de oportunidades e das formas de discriminação ao sexo feminino.
Jornal da Madeira
Ler mais



Se ainda não gosta de nós no Facebook faça like